Nise, O coração da Loucura

Nise, O coração da Loucura

 Olá, floridos! Não lembro se contei para vocês, mas esse ano comecei a faculdade de enfermagem. Ainda não é o que quero (pretendo conseguir Medicina), mas serve por enquanto já que estou na minha área. É tão bom estudar algo que a gente gosta, né non? 
 Bom, a indicação de hoje é sobre um filme que assisti através da indicação da minha professora de Introdução ao estudo de enfermagem. O Filme se chama Nise, o coração da loucura. Eu assisti e morri de amores por ele, acredito que todos assim o farão, principalmente estudantes da área de psicologia. 
PSICOLOGIA_JBA_0816_1
 Ao invés de fazer uma breve sinopse do filme, vou colocar o trailer aqui.  
Notas sobre o filme:
 De modo geral, posso dizer que o filme é excelentíssimo e que nos prende de cabo a rabo! 
 Gostei muito da Nise por ser determinada e autêntica. Ela não se deixou levar pela maioria dos médicos que detinham o “poder” sobre o hospital psiquiátrico. O que mais me chamou atenção era que ela não tinha a cura para aquelas doenças, mas ela queria tornar aquele ambiente pelo menos agradável durante a estadia dos pacientes ou “clientes”, como gostava de chamá-los. E com o decorrer do tempo constatou que o lugar mais aconchegante e limpo gerou grande melhora da condição daquelas pessoas. 
 Os personagens são tão marcantes e envolventes, cada um deles com uma história diferente, mas que os levou ao mesmo lugar. Com o surgimento da ideia de um ateliê de pintura na ala de recriação do hospital (onde Nise atua), os pacientes começaram a desenvolver quadros maravilhosos e com a sequência das telas a doutora foi desvendando e entendendo um pouco mais da vida de cada um deles. 
  Há algumas cenas que são um pouquinho fortes para pessoas que preferem filmes mais leves, como por exemplo, violência entre pacientes instigada por médicos e até mesmo de médicos com os pacientes.
 Eu fiquei entre uma relação de amor e ódio com os profissionais da saúde mostrados no filme e também com os meios de tratamento utilizados. Fiquei felicíssima que Nise ajudou a fazer com que as pessoas e os profissionais melhorassem na questão do como tratar os pacientes e de como a limpeza do ambiente influência diretamente no estado do paciente.
 Não quero me prolongar muito.  Apesar de ainda haver muitos pontos a serem debatidos sobre o filme, eu paro por aqui. Eu super que o indico. Caso você já tenha assistido me conta o que achou, e se ainda não assistiu espero ter despertado seu interesse. 
Um abraço!
– Paula Mendonça.
Sessão Pipoca: Tin Man

Sessão Pipoca: Tin Man

Olá, Floridos! Trouxe hoje a indicação de uma minissérie incrível! Essa minissérie se chama “Tin man, A nova geração de OZ” e é dividida em três episódios.

“A sublime rainha de O.Z tinha duas filhas amáveis. Um eclipse duplo é esperado, a luz encontrará a solidão com o silêncio entre elas, mas somente uma, e apenas uma, segurará a esmeralda e tomará o trono.”

Tin Man

Alguns dos Personagens:

Azkadellia: é a feiticeira má, que após descobrir a profecia do eclipse duplo, mata sua irmã (pelo menos ela acha que o fez), retira sua mãe (a rainha) do poder e passa a governar  O.Z, tem planos malignos e para atingi-los precisa da Esmeralda e não medirá esforços para consegui-la.

D.G (Dorothy): Era uma garçonete que vivia em Kansas, acaba sendo transportada para O.Z por uma tempestade criada por Azkadellia, descobre que a mesma é sua irmã. Durante o desenrolar da trama D.G tenta lembrar-se de seu passado para mudar o futuro de O.Z e reestruturar sua família. 

 Glitch: Um homem que teve seu cérebro removido por Azkadellia, por ser um grande inventor e também porque era conselheiro da rainha e tinha mais conhecimento do que deveria. Encontra D.G assim que ela chega em O.Z e a acompanha em sua jornada.

Cain: Um homem que estava aprisionado em uma armadura de lata e que era obrigado a assistir durante anos o dia em que sua família foi pega pelos homens de Azkadellia. O homem de lata moderno é um ex-policial em busca de vingança e que se une a D.G e Glitch para ajuda-los enquanto não a alcança.

Raw: O leão covarde, que na nova versão é um ser telepático, ou seja, possui poderes de cura e a habilidade de “ver” sentimentos, além de ler a mente de outros seres e de ver o futuro. Sua espécie é escravizada pela feiticeira, mas Raw consegue fugir. Une-se a D.G e companhia para ajudar sua espécie e tirar O.Z da escuridão.

Tutor (Totó): É um dos magos que ensinava as irmãs a usar magia. Além de mago é um metamorfo, ou seja, se transformava em outros seres, assumia frequentemente a forma de um cachorro.  Ele é enviado por Azkadellia para que possa rastrear sua irmã enquanto a mesma sai em busca da esmeralda.

Vocês já devem ter percebido que toda a história e os personagens foram baseados no Mágico de OZ, sendo que tais personagens foram claramente inspirados no Espantalho, Homem de Lata, Leão Covarde, e por fim, Azkadellia, que foi inspirada na Bruxa Malvada do Oeste. Juntos, D.G e seus amigos  partem em uma perigosa jornada, em busca das memórias perdidas e de uma esmeralda para impedir os planos de Azkadellia (mergulhar O.Z. na escuridão).

Imagine “O Mágico de Oz” em uma versão de ficção científica adaptada hoje em dia.  E melhor ainda, imagine que a Zooey Deschanel está nela! Essa minissérie é maravilhosa! Principalmente para você que gosta de aventura. O mais legal é que todo o filme mostra a importância da família, dos laços, de não desistir mesmo quando já não há esperanças.

Uma das cenas que eu achei muito bacana foi quando o homem de lata pede para desviar do caminho que eles precisavam trilhar para poder ver a família dele e o cachorro/tutor diz “Não temos tempo para isso” e a DG responde “Ele sempre teve tempo pra nós”, tocou meu coraçãozinho (haha). O que mais gostei na minissérie é que ela é recheada de amizade e companheirismo, mesmo nos tempos da sombria O.Z.

A história é extensa, porém não é tediosa. Acho que para quem assistiu na TV aberta deve ter ficado “um filme” meio confuso, pois Tin Man é uma série de três episódios, cada episódio com mais ou menos uma hora cada. E eles devem ter resumido muito na hora da edição (cortes) para poder exibir. Porém, para aqueles que assistiram a minissérie completa devem ter percebido que cada cena foi essencial para o desenrolar da trama.

Episódios:  

01 – A tempestade.

02 – Busca pela Esmeralda.

03 – Final.

Assista ao Trailer aqui:

TIN MAN – A NOVA GERAÇÃO DE OZ

Estudio: RHI Entertainment/Sci Fi Original Pictures

Título Original: Tin Man

País de origem: Estados Unidos

Ano de Lançamento: 2007

Direção: Nick Willing

Roteiro: Steven Long Mitchell e Craig Van Sickle

 ❥  Paula Mendonça
Sessão Pipoca: Olga

Sessão Pipoca: Olga

Olá, Floridos! Sessão Pipoca é uma nova categoria do blog onde Gabi e eu faremos umas indicações de filmes, seriados, desenhos, etc.  O primeiro post que resolvi fazer nessa categoria é para indicar um filme que assisti recentemente e achei maravilhoso: Olga.

Resumo:

Olga é um filme brasileiro realizado em 2004 pelo diretor Jayme Monjardim, inspirado na biografia escrita por Fernando Morais sobre a alemã, judia e comunista Olga Benário Prestes. 

Data de lançamento20 de agosto de 2004 (Brasil)

DireçãoJayme Monjardim

RoteiroRita Buzzar

Música composta porMarcus Viana

AutorFernando Morais

Fazia muito tempo que esse filme foi me indicado, tanto por amigos quanto professores de história, e depois de tanta enrolação eu finalmente assisti e me surpreendi.

Olga Benário é uma judia alemã que entrou no partido comunista e veio para o Brasil com Carlos prestes (Fingindo ser a mulher dele para trazê-lo em segurança) com a missão de implantar o comunismo em nosso país. No desenrolar do filme, Olga acaba se apaixonando por Prestes e mesmo com a oportunidade de fugir do país quando o esconderijo dos seus companheiros comunistas fora descoberto, ela decide ficar ao lado de seu amor, enfrentando sérias consequências.

Esse filme é realmente muito bem estruturado, e os personagens são bem fiéis aos reais. O filme segue uma sequencia lógica e as cenas não são prolongadas, o que impede que o filme fique tedioso.

Olga me agradou muito pela sua personalidade forte e decida, pois mostrou que uma mulher consegue ser forte sem estar na sombra de um homem. O que mais gostei do filme foi a protagonista que não se deixou se abalar do começo ao fim, até mesmo na hora de sua morte, dentro da câmera de gás. 

O filme mostra muitas cenas emocionantes, como quando a filha de Olga é tirada de seus braços quando ela já não consegue amamentá-la, o dia em que os comunistas que estavam em missão junto com a Olga foram capturados e torturados, quando a amiga de Olga morre no alojamento do Campo de concentração, entre outras.

“De ti aprendi, querido, o quanto significa a força de vontade, especialmente se emana de fontes como as nossas. Lutei pelo justo, pelo bom e pelo melhor do mundo. Prometo-te agora, ao despedir-me, que até o último instante não terão porque se envergonhar de mim. Quero que me entendam bem: preparar-me para a morte não significa que me renda, mas sim saber fazer-lhe frente quando ela chegue. Mas, no entanto, podem ainda acontecer tantas coisas… Até o último momento manter-me-ei firme e com vontade de viver.”

 Trecho da última carta de Olga enviada a Prestes. 

A tentativa de trazer o comunismo para o Brasil fracassou, mas deixou muitas marcas que não se apagarão facilmente e que assim como Olga, entraram para a história. 

Assista ao Trailer aqui ⇓ : 

Já assistiu ao filme? O que achou? Conta ai nos comentários! 

 ❥  Paula Mendonça
5 motivos para ler A Batalha do Apocalipse

5 motivos para ler A Batalha do Apocalipse

IMG_20160730_125739642.jpg

Olá, Floridos! Hoje eu estou com uma indicação super hiper maravilhosa (de verdade, o livro é FANTÁSTICO!). A Batalha do Apocalipse: Da Queda dos Anjos ao Crepúsculo do Mundo, escrito por Eduardo Spohr. Ele possui 585 páginas, porém apenas 566 de história, mas as outras páginas não são menos relevantes! Apesar de parecer um pouco exaustivo, você fica tão encantado com a história que o tanto de páginas fica menos assustadora.
Não farei resenha, direi 5 porquês desse livro ser tão incrível e importante. Deixarei algumas informações + sinopse abaixo. Espero que gostem!

Título: A Batalha do Apocalipse: Da Queda dos Anjos ao Crepúsculo do Mundo

Autor: Eduardo Spohr

Editora: Verus

Nº de páginas: 585

“Há muitos e muitos anos, tantos quanto o número de estrelas no céu, o paraíso celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o Dia do Juízo Final.
Mas eis que chega o momento do Apocalipse, o tempo do ajuste de contas. Único sobrevivente do expurgo, Ablon, o líder dos renegados, é convidado por Lúcifer, o Arcanjo Negro, a se juntar às suas legiões na Batalha do Armagedon, o embate final entre o céu e o inferno, a guerra que decidirá não só o destino do mundo, mas o futuro da humanidade.
Das ruínas da Babilônia ao esplendor do Império Romano, das vastas planícies da China aos gelados castelos da Inglaterra medieval, A Batalha do Apocalipse não é apenas uma viagem pela história humana – é também uma jornada de conhecimento, um épico empolgante, repleto de lutas heroicas, magia, romance e suspense”

Detalhes do livro:

Antes de explicar o porquê ABdA é tão importante, eis uma dica para lê-lo: Leia sem pressa. Ele é um livro detalhado e cada palavra é importante e necessária para a trama, principalmente os nomes dos personagens (que são inúmeros!). Claro que, por esses motivos, ele se torna um pouco cansativo e desgastante e acabamos pulando algumas partes. Entretanto, é um livro INCRÍVEL, e com certeza é um dos meus favoritos.

Vamos lá: 5 MOTIVOS PARA VOCÊ LER A BATALHA DO APOCALIPSE: DA QUEDA DOS ANJOS AO CREPÚSCULO DO MUNDO.
1 – Os personagens: Eles são maravilhosos e todos eles, repito: todos, têm algo para ensinar e você acaba se identificando.

2 – Livro brasileiro com um uso magnífico do idioma português: SIM, É UM LIVRO BRASILEIRO! Sei que ainda há muita gente que despreza a literatura brasileira e idolátra a estrangeira, mas há muitos e muitos livros maravilhosos no nosso Brasil (principalmente os mais antigos, de escritores clássicos. Particularmente, adoro!). ABdA é um desses livros! Além de seu português ser impecável, o autor explora muito o nosso idioma, o que deixa o livro ainda mais bonito.

3 – História: Agora me refiro a matéria História, a que temos/tivemos em nossa rotina escolar. O livro é repleto de conteúdo histórico. Spohr, o autor do livro, soube encaixar sua fantasia com as História de todo o mundo, incluindo as épocas a.C.

4 – Bíblia: Sei que a Bíblia é um livro cristão baseado nos ensinamentos de Deus, e ABdA é um livro que conta a história dos anjos, então, é quase óbvio que há muita coisa biblíca no livro! Mas, o mais interessante mesmo, é que o autor consegue colocar questões religiosas sem apontar religiões. Ele apenas conta sua história baseando-se na Bíblia.

5 – Questões humanas: Por fim, esse é um dos melhores livros que já li exatamente por esse motivo. ABdA contempla de uma filosofia espetacular, tratando de forma extremamente artística questões emocionais e psicológicas do nosso cotidiano. Isso foi o que mais me encantou!

O autor, Eduardo Spohr, também é blogueiro! Seu blog é sensacional, e você poderá acessa-lo clicando aqui.

Para quem gostar do livro e quiser acompanhar mais o autor, ele também escreveu a trilogia Filhos do Éden. Eu ainda não tive a oportunidade, mas estou muito ansiosa para ler!

Deixarei também uma frase que eu gostei muitíssimo: “O fato de que, para ele, elas não existiam, não queria dizer que não pudessem vir a existir. Acreditar no impossível é a chave para entender os segredos do universo.”

É isso! Espero que gostem do post e do livro, que merece muito muito muito reconhecimento! Xoxo.

Indicação de livro: Então, conheci minha irmã

Indicação de livro: Então, conheci minha irmã

Olá! Diferente dos textos e poemas que eu já  havia postado anteriormente, hoje eu trago uma indicação de um livro que se chama Então, conheci minha irmã da autora Christine Hurley Deriso. Eu conheci esse livro através de uma amiga que me sugeriu, porque ela havia lido e dito que achou a minha cara e que provavelmente eu iria adorar. Então, ela me emprestou o livro, eu o li e adivinhem? Dito e feito! Gostei tanto que quis compartilhar com vocês.

blog 03

Título: Então, conheci minha irmã.

Título original: Then I Met My Sister.

Autora: Christine Hurley Deriso.

Editora: Gutenberg.

Nº de páginas: 240.

 Sinopse: Summer Stetson não conheceu sua irmã. Sua mãe engravidou dela assim que Shannon morreu, aos 17 anos, em um terrível acidente de carro, que se chocou com uma árvore. Ao longo de sua vida, Summer acostumou-se a assistir seus pais repetirem o quanto a irmã era perfeita, amada e boa filha, e por isso sempre acreditou que fosse uma decepção para eles. Ao fazer 17 anos, recebe da tia de presente o diário que Shannon escrevia até o dia de sua morte. Ao ler aquelas páginas para saber mais sobre a irmã, acaba descobrindo alguns segredos, e a cada revelação, sobre a família e sobre si mesma, entende que a verdade pode ser, por vezes, dolorosa, mas nunca deixará de ser libertadora.

ALGUNS DOS PERSONAGENS

Summer Stetson –  A garota  com grande potencial, embora não pretendesse revelá-lo, pois não poderia competir com sua perfeita irmã Shannon. Mesmo após a morte de sua irmã, todas as fotos de premiações (danças, treinos de líder de torcida, debates, turmas avançadas, etc.) estavam no corredor da fama (corredor cuja parede está repleta de retratos) esfregando-lhe na cara o quanto Shannon era tão perfeita, algo que ela jamais sonharia em  ser mesmo que sua mãe a pedisse muito. Logo após começar a ler o diário de sua irmã, percebe que Shannon não era tão perfeita quanto parecia e que em seu último verão começou a andar com más influências, saia de casa escondida para encontrar o namorado que a família desaprova e até fumava maconha em seu quarto. Summer percebe que sua irmã tinha tantos problemas quanto ela tinha, o principal deles era a falta de comunicação com seus pais, o que resultou em problemas que viraram uma bola de neve gigantesca. A questão é: a morte de Shannon foi mesmo um acidente ou ela havia se suicidado? É o que Summer tenta descobrir ao mergulhar nas páginas de um antigo diário.

Shannon Stetson – Uma garota que antes era totalmente perfeita e que seguia a risca tudo o que lhe pedissem para fazer. A busca pela perfeição era constante e a esgotou, Shannon percebe que não tem uma personalidade própria já que é sempre tão certinha e faz tudo que sua mãe quer apenas para orgulhar seus familiares. No último verão de sua vida, shannon se rebela e tenta viver a vida de um modo totalmente oposto ao que sua mãe gostaria e regista os últimos acontecimentos em seu diário, que termina tão brevemente quanto sua vida. Acredito que a historia da personagem Shannon foi meio que baseada na poetisa Sylvia Plath, até porque Summer menciona ao ler o diário de sua irmã que o mesmo se parece mais com as obras de Plath do que com um diário comum. A poetisa escreveu um um romance semi-autobiográfico, baseando-se na sua vida pessoal antes de se suicidar.

“Pelas poucas passagens que li do diário, Shannon está cada vez mais parecida com uma personagem da Sylvia Plath do que com uma líder de torcida sorridente.”

(Citação pode ser encontrada na pág 54 )

* Link contando a história da vida de Sylvia Plath, poetisa que se suicidou.

Susanne: Mãe de Summer e Shannon. É uma mulher perfeccionista e controladora. Se Shannon tirasse segundo lugar em alguma coisa, sempre lhe dizia para treinar mais da próxima vez para conseguir o primeiro, não reconhecendo os esforços da menina. Após a morte de Shannon, ela deixa de ser tão exigente, mas continua controladora e tem uma grande dificuldade de se abrir e de aceitar críticas. Com Summer não é tão diferente, as duas tem muita dificuldade de se comunicar, até porque ambas são muito parecidas em alguns aspectos.

Randall: Pai de Shannon e Summer. É calmo e paciente, quieto e reservado. Dedica-se muito a sua família, principalmente depois que teve um caso extraconjugal, coisa que ele abomina, pois teve uma infância conturbada  pelo mesmo motivo. Mas durante toda a história ele é muito amável e até comunicativo quando requisitado.

Nicole: Tia Nic é super diferente de sua irmã Susanne, é alegre e descontraída, doce e comunicativa. É ela quem encontra o diário de Shannon e o esconde para só então entregar a Summer quando esta chegou a idade que sua irmã tinha quando morreu. Acaba sendo confidente de Summer e a ajuda a resolver parte do mistério revelando alguns dos segredos da família.

Chris e Jamie: São personagens mencionados no diário de Shannon. Chris era o namorado galinha por qual Shannon havia se iludido e Jamie a “amiga” interesseira que só queria se aproveitar do salário que Shannon ganhava como salva-vidas.

Eve: Era a melhor amiga de Shannon quando ela ainda buscava a perfeição. Ambas se afastam quando Shannon começa a andar com outras pessoas e inicia sua fase de rebeldia.

Kibbits: Era o professor da turma avançada de inglês, mas Shannon encontrava nele um amigo para o qual desabafava algumas vezes. O professor é procurado por Summer que está remexendo o passado em buscas de respostas a suas perguntas.

Gibson: Mais conhecido pelo apelido Gibs. Um aluno sempre nota máxima, e vive recebendo várias premiações como Maior média geral em história e Maior média geral em inglês da turma avançada. Ele é apresentado no livro como melhor amigo de Summer, mas ele não gostava dela apenas como um amigo (nada previsível, não é?). Gibs com sua sabedoria e jeito maduro de lidar com as coisas, sempre dá bons concelhos para Summer e a ajuda a desvendar os mistérios que rondam a família Stetson.

100_4061

NOTA PESSOAL

Assim que peguei o livro, logo de cara achei a capa um amorzinho, porém não tinha dado muito crédito à história, pois parecia mais um romancezinho teen clichê do que qualquer outro gênero, mas resolvi dar uma chance ao livro e me surpreendi. Os assuntos tratados nesse livro tão curtinho (apenas 240 páginas) são diversos!

Podemos começar com aquela comparação entre irmãs, tanto em personalidade quanto na semelhança física  (Summer e Shannon) e que convenhamos, é super comum na nossa realidade.

O livro também fala muito sobre a busca pela perfeição, tanto no lar (mãe de Summer que exige muito de si mesma e de sua família) quanto na vida escolar (Shannon se sobressai com notas excelentes para agradar a família, os professores e amigos), fala também sobre a constante luta para agradar as pessoas e ser quem a sociedade quer que tu sejas e o medo de ser quem tu realmente és.

Mesmo que não mencionado tantas vezes, um dos assuntos que o livro traz a tona é a questão da religião (católica e metodismo), de acreditar que certas coisas são predestinas a acontecer. Fica explícito também a perca da fé da mãe de Summer diante do trauma sofrido pela filha única que ela tanto amava. E ela chega até questionar a existência de um Deus e essa questão fica em aberto durante o resto do livro.

Mesmo com todos esses temas, acredito que o principal objetivo do livro era falar sobre a estrutura familiar e sobre o quanto a falta de comunicação entre os membros de uma família pode ser prejudicial, principalmente quando se tem grandes segredos esperando para serem revelados.

Sobre a parte do romance? Tem romance adolescente clichê, sim! Mas quase nada (ufa!). É super previsível que Summer se apaixonaria por seu amigo que obviamente já estava apaixonado por ela desde o começo. Devo assumir que eles fazem um casal muito fofo!

Achei o livro muito bom em quase todos os aspectos. O único ponto negativo é que o final não é exatamente um final. A autora meio que deixa o final sugestivo, acaba passando uma ideia de continuação. Conclui que a autora estava tentando apenas mostrar que assim como na realidade, ou seja, fora dos livros, a família e a vida seguem independente dos problemas e infortúnios.

❥ Paula Mendonça